Autarquicas 2017

“As minhas ideias estão mais próximas do BE do que propriamente do PS”, diz o Candidato do BE à Câmara de Borba (c/som)

Publicado em Entrevistas 07 fevereiro, 2017

O Bloco de Esquerda apresentou o seu candidato às eleições autárquicas 2017, no concelho de Borba.

A escolha recaiu sobre Rui Garda Verdades de Sá, 46 anos, independente e o rosto do Bloco por Borba.

Em entrevista à Rádio Campanário, o candidato começa por especificar que “o objetivo principal da sua candidatura é contruir uma opção viável para o concelho”.

Ao “como se deu” o encontro de interesses entre Rui Sá e Bloco de Esquerda, o candidato explicou que “houve uma espécie de namoro, um interesse de ambas as partes e muita coisa para fazer”. Acresceu também que “neste momento o caminho faz-se caminhando e à medida que a equipa vai estado consolidada vamos definir um programa eleitoral e dizer à população aquilo a que nos propomos”.

O atual candidato do Bloco de Esquerda participou, no passado, na formação de outras listas às autárquicas pelo Partido Socialista, tendo mesmo sido militante. Questões às quais respondeu afirmando, “as minhas participações em todas as listas, quer autárquicas, quer legislativas foi sempre como independente. A minha filiação no PS foi uma coisa recente, com a qual acabei, porque quando nós não acreditamos no projeto e deixamos de nos rever nas pessoas, acho que temos que partir para outros caminhos”. Salientando também “fui militante, num curto período e também nunca participei ativamente, nunca desempenhei cargos em termos autárquicos no concelho de Borba, durante esses mandatos.”

Rui Sá afirma ainda, no que diz respeito à sua ligação ao Partido Socialista, “fui militante durante 1 ano e meio, 2 anos, mais ou menos, tinha havido um desafio de personalidades do PS para eu apresentar a minha disponibilidade como candidato. Não tenho nada contra o partidos, nem contra ninguém. Não acreditando num projeto só temos um caminho, ou cruzamos os braços ou vamos à luta”.

À questão, se deixou de se identificar com as ideologias do Partido Socialista, Rui Sá Responde que “não tanto com as ideologias do PS mas na forma de preparação das autárquicas. A discordância tem a ver com a estratégia concelhia e com as linhas que estão definidas. Não posso concordar com as linhas encontradas, não concordando, saí e arranjei outra solução.” O candidato do Bloco de Esquerda afirma ainda que “não é uma birra, não é vingança. As pessoas conhecem-me, sabem aquilo que tenho feito, sabem aquilo que sou capaz, portanto sou uma opção clara para o concelho e não tenho dúvidas disso. Estou ciente que posso dar muito a Borba e estou aqui para apresentar uma equipa sólida e apresentar o nosso projeto, e que saía vencedor”.

Questionado sobre se terá ficado desagradado com a rejeição, por parte da secção concelhia de Borba do Partido Socialista, da sua apresentação como candidato do PS, Rui Sá recusou-se a responder, dizendo “isso são questões do Partido Socialista, terá que perguntar ao PS e para mim esse assunto está encerrado”.

Sobre esta candidatura, pelo Bloco de Esquerda, ser a segunda opção de Rui Sá, o mesmo frisa, “não encarei esta candidatura como uma segunda opção, quando eu acho que sou uma mais-valia para o concelho, que tenho uma equipa de pessoas novas e que estou a gostar muito de conhecer”.

Quanto à existência de um acordo entre o Bloco de Esquerda e Rui Sá para a constituição das listas e do projeto, o candidato respondeu que “não existe acordo escrito, eu sou mais da ala esquerda do Partido Socialista, por isso em muitos pontos estou mais de acordo com o Bloco de Esquerda. Há uma convergência de idéias entre mim e as linhas do Bloco”. Acrescendo que “como fiquei fora do processo PS, entendi que devia ouvir as pessoas, fui constituindo uma equipa, grande neste momento, fomos falando e havendo vontade de ambas as partes, houve condições de construir um projeto ganhador. Tenho uma equipa coesa, unida, gente jovem, gente menos jovem mas com experiência e gente sem experiência politica”.

Questionado se o Bloco de Esquerda irá apresentar listas em todas as freguesias do concelho de Borba, Rui Sá Responde que “sim, em princípio sim. Temos pessoas em todas as freguesias. Apresentaremos lista à Câmara Municipal, à Assembleia Municipal e às freguesias.”

À questão sobre aquilo que lhe é prioritário para Borba, caso venho a ser executivo, o candidato do Bloco de Esquerda falou “na limpeza das ruas da cidade, na inexistência de um programa para a juventude, principalmente para os jovens entre os 14 e os 18 anos.” Relativamente aos idosos, disse que “não existe resposta por parte da Câmara Municipal, estão entregues à Santa Casa da Misericórdia”, acrescendo que era “necessário fazer a ligação intergeracional, entre os jovens e os idosos, o que não se faz”. O candidato mencionou também o turismo e a situação de que “Borba não tem projetos com candidaturas aprovadas no âmbito do Alentejo 2020, como a maioria dos concelhos.

Para terminar esta entrevista ao candidato do Bloco de Esquerda e dado que o nome “Sá” tem uma carta politica no concelho de Borba, o seu irmão, Ângelo de Sá, esteve 12 anos à frente da autarquia borbense, sempre a representar as cores do Partido Socialista, se tem o seu apoio para esta candidatura, à qual Rui Sá responde, “olhe não faço a mínima ideia, penso que ele fez um excelente trabalho enquanto autarca, obviamente ele é do PS, que é o papel dele e é a ele que tem que colocar essa questão”.

Atualmente, Rui Guarda Verdades de Sá encontra-se a dirigir os destinos da Escola Públia Hortência de Castro, no cargo de diretor, em Vila Viçosa, cargo que exerce desde 1993.

Últimas notícias

Histórico de Notícias

« Abril 2017 »
Seg Ter Qua Qui Sex Sab Dom
          1 2
3 4 5 6 7 8 9
10 11 12 13 14 15 16
17 18 19 20 21 22 23
24 25 26 27 28 29 30