×

Alerta

JUser: :_load: Não foi possível carregar o utilizador com o ID: 45

Alqueva

Presidente da EDIA explica injeções do Estado no Alqueva, à Rádio Campanário (c/som)

Publicado em Regional 16 março, 2017

A empresa gestora da barragem do Alqueva, EDIA, tem visto continuamente o seu capital a ser aumentado pelo Estado, através da compra ações. Em Janeiro foram 17,2 milhões de euros e agora mais 13,9 milhões de euros.

Em declarações à Rádio Campanário, o Presidente da EDIA, Eng. José Pedro Salema declara que as verbas são todas direcionadas ao abate da dívida do Alqueva. Afirma que o EBITA da empresa é positivo e que “a operação da EDIA é rentável. O que não é rentável é o resultado, na sua globalidade, pela opção que o Estado tomou em utilizar muitos capitais alheios que têm que ser pagos.

”A operação do Alqueva tem resultado numa receita excedentária que cobre todas as despesas e apresenta ainda perspetivas de melhorar.

Demonstrando compreensão para com a situação dos agricultores e juntamente com a aprovação de “um projeto de larga escala de energia renovável” nos moldes previstos, foi possível antecipar a descida do preço da água.

O projeto de alargamento da barragem, ao abrigo do Plano Junker, possibilitará abranger mais 50 mil hectares de perímetro de rega, tendo um custo superior a 200 milhões de euros.

“A campanha de rega 2017? Com certeza!” O presidente da empresa assegura que a barragem do Alqueva se encontra a 80% da sua capacidade e que assegurará, como em anos anteriores, o fornecimento de água aos agricultores portugueses.

 

 

 

Últimas notícias

Histórico de Notícias

« Março 2017 »
Seg Ter Qua Qui Sex Sab Dom
    1 2 3 4 5
6 7 8 9 10 11 12
13 14 15 16 17 18 19
20 21 22 23 24 25 26
27 28 29 30 31