20 Out. 2021
 
Rimas ao Sul
14:00-15:00

Desde o início de 2013, o Alentejo já contam com 1928 utentes colocados na Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados (RNCCI). Em toda a região, não existe nenhum doente à espera de internamento, contudo, para assistência domiciliária, falta dar resposta a 248 pessoas. A informação é adiantada a este Estação Emissora pela enfermeira Graça Eliseu, da Equipa de Coordenação Regional do Alentejo dos Cuidados Continuados Integrados.

A profissional de saúde explica que, para compreender os números, é necessário ter em conta as especificidades do Alentejo, que se caracteriza por uma população envelhecida e dispersa geograficamente, para além de outras questões, como o isolamento social e carências económicas. Graça Eliseu explica melhor os números registados no primeiro semestre de 2013 e adianta ainda que, até ao final do ano, deverão ser abertas 60 novas vagas de internamento no distrito de Beja.

{play}http://radiocampanario.com/sons/u%20cuid%20cont%20graca%20II_19julho.MP3{/play}

A RNCCI foi criada em 2006, com a missão de garantir a prestação de cuidados de saúde e apoio social, recuperadora e paliativa, a todas as pessoas que, independentemente da idade, se encontrem em situação de dependência, sendo também objetivo apoiar os familiares, ou cuidadores informais, na qualificação e na prestação dos cuidados.

É ainda importante referir que no mesmo período de 2012, entre Janeiro e final de Junho, no Alentejo estavam internadas 702 pessoas e 570 eram assistidas por equipas domiciliárias, totalizando assim 1272 apoios. A região aparecia no último lugar da tabela, comparativamente com outras zonas do país. A região Norte, com 3618 utentes, surgia então em primeiro lugar.


As inscrições para o novo curso de pós-graduação na área da requalificação e regeneração urbana, em Elvas, começam já no dia 1 de setembro. A informação foi ontem tornada pública, depois de ter sido assinado o Protocolo de cooperação entre quatro instituições de ensino superior de Portugal e Espanha e dez municípios do Alentejo e da Estremadura espanhola.

O curso, que também poderá servir como primeiro ano de doutoramento, será lecionado nas instalações da Escola Superior Agrária de Elvas. Os interessados poderão inscrever-se nas instituições de ensino superior envolvidas, nomeadamente as Universidade de Lisboa e de Évora, no Politécnico de Portalegre e na Universidade da Extremadura.

Em declarações à Rádio Campanário, Rondão Almeida, presidente da Câmara Municipal de Elvas, mostrou-se muito satisfeito com a união entre as autarquias dos dois lados da fronteira, nesta ação que considera ser de extrema importância para a região. O responsável adiantou ainda que, se este primeiro ano decorrer conforme as expetativas, poderá ser criado um centro de formação e investigação, sediado em Elvas e Badajoz, para dar resposta às necessidades do Alentejo e Extremadura Espanhola.

{play}http://radiocampanario.com/sons/protocolo%20rondao%20elvas_19julho.MP3{/play}

O curso, que começa a ser lecionado em outubro deste ano, surge da parceria entre as instituições de ensino e as autarquias de Alandroal, Arronches, Borba, Campo Maior, Elvas, Estremoz, Sousel e Vila Viçosa, em Portugal, e de Badajoz e Olivença, em Espanha.

A sensivelmente dois meses de distância do final do projeto “Aldeias Ribeirinhas”, já estão em cima da mesa vários projetos que, a serem aprovados, poderão ser, e ao mesmo tempo, o emprego dos jovens que integram o projeto e o motor para o desenvolvimento da região. O projeto, que começou no início deste ano, está a decorrer em cinco aldeias dos concelhos de Alandroal, Moura, Mourão, Portel e Reguengos de Monsaraz, e resulta da parceria entre a Empresa de Desenvolvimento e Infraestruturas de Alqueva (EDIA) e Associação Transfronteiriça dos Municípios das Terras do Grande Lago Alqueva (ATMTGLA).

João Basto, presidente da EDIA, falou à Rádio Campanário sobre os projetos apresentados pelos jovens profissionais, que vão desde o desenvolvimento de novos produtos, com recurso a matérias-primas endógenas, até turismo, passando pela arquitetura. O responsável adiantou ainda que está a ser considerada a abertura de uma nova edição do “Aldeias Ribeirinhas”.

{play}http://radiocampanario.com/sons/aldeias%20ribeirinhas%20edia_18julho.MP3{/play}

 

O projeto conta com 15 jovens, a viverem e trabalharem em cinco aldeias ribeirinhas do Alqueva, com o objetivo de valorizar os ativos endógenos e a cultura local. Este foi um dos cinco premiados na categoria “Outros Projetos de Desenvolvimento Socioeconómico” do programa EDP Solidária 2013. 

Nos primeiros cinco meses de 2013, o orçamento gasto em medicamentos no Hospital Espírito Santo, em Évora, foi de aproximadamente 5 milhões e 500 mil euros, o que representa uma variação de 6,7% em comparação com período homólogo. O Hospital alentejano surge no último lugar do top 20 elaborado pelo Infarmed. É ainda importante salientar que os dezassete hospitais que tiveram mais despesa em medicamentos, no total, representam 80,5% do dinheiro gasto. No período em análise a despesa em ambulatório (Consulta Externa, Hospital de Dia e Cirurgia de Ambulatório) foi, em todo o país, de 331,6 milhões de euros, o que constitui 76,1% da despesa total de medicamentos em meio hospitalar. O elevado peso do ambulatório hospitalar devese essencialmente à despesa com medicamentos cedidos nos serviços farmacêuticos (45,9%), entre os quais se destacam os medicamentos para o VIH, Artrite Reumatoide e Esclerose Múltipla, entre outros

 A Autoridade Nacional do Medicamento divulgou também os resultados relativos à venda de medicamentos de marca branca nos vários distritos de Portugal, entre Janeiro e Abril, sendo que Évora surge na segunda posição, com 40,3%, seguido por Beja (40,2%) e Portalegre (40%).

 

Relativamente à venda de medicamentos não sujeitos a receita médica fora das farmácias, o último relatório, que se refere ao período entre Janeiro e setembro de 2012, coloca Évora como um dos distritos onde se registaram menos vendas de embalagens: 68 986 no total.  

A Herdade do Pinheiro, em Ferreira do Alentejo, deverá receber do Estado uma indemnização de 729 mil euros, montante esse que será acrescido ao milhão e 150 mil euros que recebeu há dois anos. A decisão foi tomada pelo Tribunal Europeu dos Direitos Humanos, que definiu as compensações para as famílias alvo de expropriação em 1975, em sequência da reforma agrária.

Desde 2000, o Estado já pagou 240 milhões de euros a famílias nesta situação. Para além da herdade no distrito de Beja, outras duas compensações foram decididas anteontem, sendo que uma delas se refere a terrenos em Montemor-O-Novo. As deliberações dos juízes baseiam-se nas ofensas que os responsáveis europeus consideram terem sido feitas à propriedade privada. Para Bernardo Albino, advogado que tem seguido os casos de perto, Portugal foi irresponsável quando alterou os critérios de indemnização dos casos da reforma agrária, fazendo com que as pessoas se sintam injustiçadas, o que terá originado as reclamações no órgão da União Europeia.

 

O Estado Português tem três meses para recorrer da decisão, e se o fizer será uma atitude inédita, uma vez que na centena de indemnizações indicadas anteriormente nunca se interpôs. Por todo o país ainda existirão mais de uma dúzia de casos por resolver. 

De entre os catorze municípios do distrito de Évora, nove melhoraram a saúde financeira, quando comparados os anos de 2011 e 2012. No total de todos os conselhos, três apresentavam saldo positivo. As conclusões são do Anuário Financeiro dos Municípios Portugueses 2011/2012, tornado público na passada semana e editado pela Ordem dos Técnicos Oficiais de Contas, com a colaboração do Tribunal de Contas e Universidade do Minho

No ranking dos 35 municípios de pequena dimensão com melhor saúde financeira são encontrados três do distrito eborense (Portel, Redondo e Viana do Alentejo), cinco de Portalegre (Ponte de Sor, Castelo de Vide, Arronches, Marvão e Gavião) e um de Beja (Mértola).

Na tabela dos municípios de média dimensão, Elvas surge na segunda posição, sendo o único representante do Alentejo. Em 2011 o balanço do endividamento líquido contava com um saldo positivo de 14 milhões e 331 mil euros. No ano seguinte o balanço foi ainda mais positivo, com um aumento de 1 milhão e 600 mil euros. A classificação no ranking nacional foi obtida depois de considerados 15 indicadores, tais como o prazo médio de pagamentos, investimento e peso da divida bancária de médio e longo prazo. Rondão Almeida, presidente da Câmara Municipal de Elvas, falou à Rádio Campanário sobre os resultados e mostrou-se orgulhoso com o alcançado. O edil salienta contudo que a nível autárquico há muito trabalho a fazer, principalmente ao nível das capitais de distrito.

{play}http://radiocampanario.com/sons/rondao%20anuario_17julho.MP3{/play}

É ainda importante referir que, de acordo com o relatório, e dimensão média dos municípios portugueses, com 34,5 mil habitantes, é superior à da maioria dos países europeus, informação que “é muito significativa no momento atual em que, no âmbito da reorganização da administração local, se discute a diminuição do número de municípios com o objetivo de aumentar a sua escala”.

 

As transferências do Estado têm diminuído desde 2010, ano em que, no total, as autarquias receberam menos 29,7 milhões de euros. No ano seguinte a quebra foi de 66,5 milhões e em 2012 foram ainda transferidos menos 54,4 milhões, quando comparadas as verbas com o ano transato. No polo oposto, a receita proveniente de fundos comunitários aumentou: em 2011 o acréscimo foi de 194,9 milhões (+46,7% do que no ano anterior) e em 2012 foi de 70,8 milhões (+11,6%). A despesa global dos municípios portugueses corresponde a 14,7% do PIB. “Este diminuto peso da despesa autárquica, no produto interno bruto, é indicador da centralização do serviço público”, informa o documento.   

 

Valores do Endividamento Líquido (em milhões de euros)

 

2011

2012

Vila Viçosa

- 4.960.365

- 5.045.577

Borba

- 11.949.523

- 11.019.360

Alandroal

- 17.674.726

- 19.013.321

Redondo

+2.690.268

+3.395.308

Estremoz

- 11.497.357

- 9.787.295

Reguengos de Monsaraz

- 15.522.383

- 16.935.286

Évora

- 71.742.765

- 68.253.821

Arraiolos

- 8.337.209

- 6.960.405

Montemor-o-Novo

- 5.801.821

- 4.183.425

Mourão

- 9.431.845

- 10.251.93

Portel

+ 1.475.655

+ 1.551.055

Mora

- 2.479.981

- 2.316.666

Viana do Alentejo

+599.059

+ 595.916

Vendas Novas

- 6.883.212

- 5.259.745

Um individuo de 44 anos foi esta terça-feira atingido a tiro por outro, em Alter do Chão, Portalegre, sofrendo ferimentos leves.

De acordo com a Guarda Nacional Republicana, o homem foi baleado cerca das 18:00, por outro, que se pôs em fuga, suspeitando as autoridades que "terá sido um ajuste de contas".

A vítima foi transportada para o hospital de Portalegre e o caso foi entregue à Polícia Judiciária para investigação.

De acordo com as noticias já hoje avançadas, o alegado autor dos disparos continua a monte, apesar de estar identificado pelas autoridades.

 

O suspeito da autoria do tiro pôs-se em fuga e continuava hoje de manhã a monte, estando a ser procurado pela GNR e Polícia Judiciária (PJ), a quem compete a investigação, referiu a fonte.

As obras de intervenção para melhorar o abastecimento de água nas aldeias de Casas Novas, Pias e Venda, no concelho de Alandroal, começam, o mais tardar, na próxima semana. A garantia é dada a esta Estação Emissora pelo autarca alandroalense, João Grilo. O executivo tinha previsto iniciar as obras com maior antecedência, para que neste Verão os problemas de abastecimento de água não se verificasse, contudo, disse o presidente da Câmara Municipal, “questões financeiras” não permitirem que tal acontece. As intervenções têm um prazo de execução de 8 meses, o que significa que os trabalhos deverão estar concluídos em Março de 2014.

João Grilo adiantou ainda que a Câmara Municipal de Alandroal tem um investimento previsto superior a 10 milhões de euros em projetos técnicos, com o objetivo de renovar a rede de abastecimento de água. Contudo, para que isso aconteça é necessário o apoio de fundos comunitários. O autarca abordou ainda a relação estabelecida entre a Câmara Municipal e a empresa Águas do Centro Alentejo. 

{play}http://radiocampanario.com/sons/joao%20grilo%20alandroal%20agua_17julho.MP3{/play}

Já é conhecido o cartaz da Feira de Agosto, Turismo e Ambiente, em Grândola. O Certame, que acontece entre 21 e 26 de Agosto, tem espaço para a Feira Franca, Expositores, Zona de Artesanato, Jardim das Associações e Produtos Regionais, Zona de Tasquinhas, Festival Hípico e Tourada, para além de concertos com grandes nomes da música nacional e internacional.

A inaugurar os concertos na Feira de Agosto, José Perdigão e Sons Ibéricos, com o convidado especial José Cid, sobem ao palco principal na quarta- feira, dia 21 às 22h15.

No dia seguinte, pelas 22h15, é apresentado o espetáculo da Banda da Sociedade Musical Fraternidade Operária Grandolense. RICHIE CAMPBELL atua na noite de 23 de Agosto. GABRIEL O PENSADOR é o grande nome internacional do cartaz da Feira de Agosto. O rapper brasileiro traz a Grândola “Sem Crise” o seu novo CD, após sete anos longe dos estúdios. “Solitário Surfista/Surfista Solitário”, “2345 meia 78”, “Festa da Música” ou “Astronauta” são temas para ouvir no sábado, pelas 22h15, no palco principal. Um festival de folclore é a proposta para domingo, 25. Vários Ranchos Folclóricos convidados pisam o palco principal a partir das 21h15.

Na segunda-feira, dia 26, às 22h15, o concerto dos Xutos e Pontapés, com os grandes êxitos que atravessam 30 anos de carreira, encerra a edição 2013 da Feira de Agosto, Turismo e Ambiente.

 

O evento, que tem entrada livre, atraiu, no passado, mais de 100 mil pessoas ao Parque de Feiras e Exposições.

Começa amanhã, dia 17 de Julho, a 1ª fase do concurso nacional de acesso ao ensino superior público. Para as Universidades estão abertas 28 467 vagas, enquanto para os Politécnicos cursos têm, no total, 22 994 lugares disponíveis. A nível nacional, e comparando com o ano transato, serão abertas menos 837 vagas nas instituições de ensino superior.

O Instituto Politécnico de Portalegre (IPP) vai contar, no próximo ano letivo, com um novo curso, contudo, no polo oposto, suspende quatro. A licenciatura em Tecnologias de Produção de Combustíveis é a nova oferta formativa que os candidatos ao ensino superior podem encontrar, disse o Presidente do IPP, Joaquim Mourato, à Rádio Campanário, uma aposta que vai de encontro às necessidades da região Alentejo. Em resultado da pouca procura, já registada em anos anteriores, para 2013/2014 o instituto portalegrense não abre qualquer vaga nas licenciaturas de Educação Artística, Animação Sociocultural, Engenharia Civil e Bioenergias.

{play}http://radiocampanario.com/sons/ipp%20cursos_16julho.MP3{/play}

A Universidade de Évora apresenta este ano menos 22 vagas, num total de 1069.

80%, ou seja, 673 das vagas das vagas suspensas registam-se nas zonas consideradas periféricas do país, sobretudo nas regiões do interior. Os dados são divulgados pelo Ministério da Educação.

É ainda de destacar que no ano transato as Engenharias, com 16,9 %, as Ciências Empresariais, com 15,5% e a Saúde, com 12,8%, foram as áreas com maior percentagem de vagas disponíveis, fato que se volta a registar no ano letivo de 2013/2014. Serviços de Segurança e Serviços de Transporte foram os cursos que em 2012 ofereceram menos vagas, com 0,2 pontos percentuais, fenómeno que se repete este ano.

Últimas notícias

Histórico de Notícias

« Outubro 2021 »
Seg Ter Qua Qui Sex Sab Dom
        1 2 3
4 5 6 7 8 9 10
11 12 13 14 15 16 17
18 19 20 21 22 23 24
25 26 27 28 29 30 31