Imprimir esta página

Alentejo

Comentário semanal, do eurodeputado Carlos Zorrinho, aos microfones da Rádio Campanário (c/som)

Revista de Imprensa 15 Jun. 2021

Na revista de imprensa de hoje, dia 15 de junho, como é habitual contámos com o comentário do eurodeputado do PS, Carlos Zorrinho.

No comentário de hoje os temas abordados dizem respeito ao investimento no Serviço Nacional de Saúde que permitiu o retorno de quase 7 mil milhões de euros em 2020, o nível de riqueza em Portugal que cresceu 2% face ao ano anterior, a polémica relacionada com a divulgação de dados pessoais de três ativistas pela Câmara Municipal de Lisboa à embaixada russa em Portugal e, por último,  a pandemia de covid 19 e o desconfinamento.

No que diz respeito ao investimento no serviço nacional de saúde permitiu o retorno de quase 7 mil milhões de euros em 2020, o nosso comentador começou por dizer “Foi um ano um pouco especial, em que  houve uma atividade não corrente, mas uma atividade de emergência “ acrescentando “a atividade de emergência teve picos, e esses picos obrigaram a uma maior inflação de doentes, mas também de fornecedores e de toda a sociedade.”

Carlos Zorrinho, sobre esta temática, referiu ainda “Este foi o ano em que julgo que os portugueses, se ainda tinham dúvidas, perceberam que ter um bom serviço nacional de saúde é bom, é fundamental, dá-nos segurança enquanto cidadãos .”

Relativamente ao fato de a riqueza em Portugal ter crescido 2% em 2020 face ao ano anterior, mas ainda assim continuar abaixo dos 5% da europa ocidental,  o eurodeputado Carlos Zorrinho referiu “temos que fazer uma recuperação, isto é, de facto estávamos a recuperar, não estávamos era a recuperar tão depressa como os restantes países da UE “ sublinhando ainda “quando comparamos os crescimentos da UE com crescimentos em áfrica ou na ásia ou na américa do sul, nós estamos num patamar muito mais elevado mas quando comparamos os crescimentos de Portugal com os outros países da UE aí temos que perceber e continuar a apostar naquilo que faz crescer, ou seja, no conhecimento, nas empresas empreendedoras, criar uma base de partida mais forte(…)temos que ter um motor mais afinado.”

No que concerne à polémica despoletada em torno da divulgação de dados pessoais de três ativistas à embaixada russa em Portugal, pela Câmara Municipal de Lisboa,  e  ao pedido de desculpas já apresentado por  Fernando Medina, presidente da camara de lisboa e questionado se houve uma violação até da democracia ou uma falta de conhecimento do presidente da camara da própria maquina técnica da camara, Carlos Zorrinho referiu “Tem sido feita uma abordagem brutal sobre Fernando Medina e isso só se justifica porque estamos em altura eleitoral, e isso faz parte da vida infelizmente”.

Sobre esta matéria o eurodeputado acrescenta “de facto houve um processo administrativo que se repetiu durante vários anos e que é absolutamente inaceitável. Não acredito que em algum momento Fernando Medina tenha conhecimento e consciência de que esse processo administrativo era aceite “ acrescentando “o presidente da câmara de Lisboa disse que iria fazer uma auditoria e que no final da mesma daria todos os esclarecimentos , e acho que devemos esperar por esses esclarecimentos e depois fazemos o julgamento.”

“ Eu estou preocupado com os ativistas, não apenas com os ativistas russos mas também com todos os outros ativistas que eventualmente terão sido, por esse processo administrativo completamente inaceitável, de alguma maneira referenciados aos governos pelos quais eles são ativistas, isso de facto preocupa-me” referiu ainda Carlos Zorrinho considerando “ nunca mais se deve repetir esta situação e deve ser  verificado se noutros serviços do estado, noutros serviços autárquicos aconteceu o mesmo, para que essas práticas possam ser corrigidas .”

Por último e no que diz respeito à pandemia de covid 19, em especial à situação em Lisboa e Vale do Tejo, assim como ao desconfinamento, o eurodeputado Carlos Zorrinho referiu “neste momento não temos, e espero que não cheguemos a ter, um problema de constrangimento  no sistema de saúde, temos capacidade de resposta sem estar a diminuir outras valências “ mostrando-se, no entanto, preocupado acrescentando “  pelo que eu vi quando estive em Lisboa, acho que  grande parte das pessoas já assumiu que a pandemia acabou e ela não acabou, ou seja, nós não podemos ficar eternamente confinados, a vida tem que continuar a economia tem que funcionar mas cada um, e sobretudo os mais jovens, são menos suscetíveis às consequências da doença. “

“Eu acho que, já não é possível neste momento fazer outro tipo de apelo que não um apelo muito forte às pessoas para perceberem que a pandemia neste momento podemos lidar com ela mas se perdermos o control, se não tivermos cuidado, distanciamento , ajuntamentos, grandes festas, não fazermos a testagem adequada, ninguém pode garantir que não tenha que vir depois uma vida mais dura” adiantou ainda o nosso comentador.

Para finalizar, relativamente à realização de uma manifestação pela Iniciativa Liberal, acompanhada de sardinhas, ao jeito de comemoração dos santos populares, Carlos Zorrinho disse “acho que foi uma enorme contradição tendo em conta que a IL tinha estado na primeira linha a atacar a festa do avante, por exemplo, e agora, no fundo, há algumas forças politicas em Portugal que fazem o pino se for preciso, só para serem faladas, o que é lamentável.”