05 Dez. 2021
Augusta Serrano;
Firmamento da Noite
22:00-04:00

Alentejo

Comentário semanal do eurodeputado José Gusmão aos microfones da Rádio Campanário (c/som)

Revista de Imprensa 12 Nov. 2021

Na Revista de Imprensa desta sexta-feira, dia 12 de novembro, contámos com o comentário do eurodeputado José Gusmão do Bloco de Esquerda.

Foram vários os temas abordados, nomeadamente a data designada pelo Presidente da República para as eleições legislativas, assim como as manifestações de entendimento possíveis de realizar depois das eleições legislativas. Foi ainda abordada a questão da descoberta de uma alegada rede de tráfico de diamantes que alimenta agora a polémica se o Ministro João cravinho devia ou não ter informado o Presidente da República e o Primeiro Ministro António Costa.

Em relação ao primeiro tema, o eurodeputado começa por referir “eu penso que qualquer máscara de isenção que pudesse restar para o Presidente da República caiu em todo este processo“  acrescentando “desde antes da marcação da data das eleições o Presidente da República já tinha ameaçado com a dissolução do parlamento caso não houvesse acordo no orçamento.”

Para José Gusmão “Marcelo rebelo de Sousa deu uma segunda prova de falta de isenção que é contra a posição que era maioritária entre os partidos, convocar as eleições para uma data que é marcada, não em função das conveniências do país, mas sim em conveniência da vida interna de um partido político que por acaso é o seu partido.”

No que diz respeito ao segundo tema, os possíveis entendimentos entre os vários partidos políticos, o nosso comentador começou por referir “acho que todos os partidos políticos têm obrigação de deixar claro o que tencionam fazer com os votos dos portugueses” salientando ainda “as pessoas têm o direito de saber quais são os planos políticos dos partidos do ponto de vista de convergências, uma vez que todas as sondagens apontam para que não haja maioria absoluta.”

Ainda sobre esta matéria, o eurodeputado refere ainda que “ o Partido socialista não esclareceu com quem é que tenciona fazer entendimentos e eu acho que isso não é aceitável pois as pessoas têm o direito de saber se o voto no PS vai contribuir para uma nova geringonça ou se vai contribuir para um bloco central.”

Por último e relativamente ao último tema, o Eurodeputado refere “a questão é gravíssima do ponto de vista do funcionamento das instituições militares e dos seus próprios mecanismos de control.”

Ainda a este propósito o Eurodeputado do Bloco de Esquerda acrescenta “quanto à questão de quem não comunicou a quem, se o Ministro tem o dever de prestar informação ao Primeiro Ministro, e este ao Presidente da República, ainda não ouvimos por parte do Ministro qualquer esclarecimento.”

“Convém perceber se houve falhas de informação de quem é que é essa responsabilidade” ressalvando ainda o nosso comentador que “esta é uma daquelas situações em que a culpa não pode morrer solteira.”

José Gusmão termina referindo

reafirmando que é necessário um esclarecimento cabal sobre esta questão por parte do Ministro João Cravinho e de António Costa.

 

Veja também...

Histórico de Notícias

« Dezembro 2021 »
Seg Ter Qua Qui Sex Sab Dom
    1 2 3 4 5
6 7 8 9 10 11 12
13 14 15 16 17 18 19
20 21 22 23 24 25 26
27 28 29 30 31