Imprimir esta página

Alentejo

Comentário semanal do Eurodeputado José Gusmão aos microfones da Rádio Campanário(c/som)

Revista de Imprensa Escrito por  16 Set. 2022

 

Na Revista de Imprensa desta sexta-feira, dia 09 de setembro, contámos com o comentário do Eurodeputado José Gusmão do Bloco de Esquerda.
Os temas abordados no dia de hoje foram: o pacote de medidas de apoio às empresas e a subida da taxa de juros por parte do BCE e ainda o facto de existirem 2,3 milhões de portugueses em risco de pobreza.

José Gusmão começa por referir que algumas medidas “são pouco esclarecedoras dos setores que serão abrangidos , nomeadamente as que dizem respeito aos maiores custos de energias.”

Para o Eurodeputado é compreensível “que várias empresas de vários setores não tenham claro se vão ser ou não apoiadas por estas medidas”

Apesar das medidas aprovadas, o eurodeputado do BE considera que "o que é mais importante é o que não está contemplado nas mesmas “ acrescentando “nós estamos a entrar num contexto fortemente recessivo , não existe nenhuma resposta ao nível das consequências do aumento das taxas de juro por parte do BCE e é preciso ter em conta que quase todo o endividamento das famílias portuguesas está relacionado com a compra de habitação própria.”

O nosso mercado de habitação está mais direcionado para a compra de habitação própria do que para o arrendamento mas isso acontece porque o mercado de arrendamento funciona muito mal e porque a sua liberalização foi uma tragédia” referiu ainda José Gusmão.

Segundo José Gusmão “os técnicos do BCE consideram que esta inflação é muito movida pelos preços da energia mas também pelo aumento dos lucros o que exige medidas muito mais direcionadas para o setor de energia e lucros extraordinários do que propriamente medidas que penalizam o conjunto da economia em vez de irem ao foco do aumento dos preços.”

"Todas as famílias que estão endividadas para compra de habitação própria, que é um direito elementar e constitucional. Vão estar sob uma enorme pressão até porque muitas vezes o seu esforço para pagar a prestação da casa já é superior aquele que é recomendado” acrescentou.

No que diz respeito ao segundo tema, o Eurodeputado do BE adiantou “estes dados são preocupantes e decorrem de uma resposta muita fraca que foi dada à pandemia. Fomos dos países com o pacote de medidas mais fraco da União Europeia e o país que em 2020 e 2021 menos investimento público fez em toda a União Europeia, um recorde que eu acho que o país dispensava.”

Para José Gusmão "todos estes factos se refletem a todos os níveis de rendimento mas com consequências dramáticas nos níveis mais baixos.”

Para isso, considera José Gusmão, em muito contribui “a estagnação de salários e pensões num contexto em que se sabia que iria haver uma inflação elevadíssima.”