Odemira

Autarca de Odemira denuncia à PJ situações suspeitas que levam migrantes para o concelho

Regional Escrito por  02 maio 2021

O presidente da Câmara de Odemira, José Alberto Guerreiro, revelou hoje que apresentou uma denúncia na Polícia Judiciária (PJ) sobre situações que considerou suspeitas, que estão na base da existência de "muitos trabalhadores migrantes" no concelho.

Existe "um problema que ultrapassa aquilo que é a atividade agrícola, mas, a coberto dela, o facto de haver muitos trabalhadores migrantes e uma intensa atividade agrícola", afirmou o autarca alentejano.

Conforme noticia avançada pelo Correio da Manhã, José Alberto Guerreiro, falouaos jornalistas no final de uma reunião da 'task force' do concelho, , indicou ter denunciado as suspeitas "há cerca de dois anos" à Polícia Judiciária e que ele próprio já foi ouvido.

"Nessa altura, descrevi tudo aquilo que sei e tudo aquilo que me foi relatado, porque essa é a minha obrigação", referiu, sublinhando que "as entidades públicas terão que avaliar" as situações denunciadas, referiu o autarca acrescentando ainda que existem estabelecimentos comerciais em Odemira que "têm um conjunto de empregados que não é justificado pelo espaço", nomeadamente "supermercados com 200 metros quadrados" de área e que "têm 30 ou 40 trabalhadores".

"Há espaços de venda ao público de bebidas que têm dez vezes mais empregados do que é normal", mas também existem "outras questões muito estranhas", em que "muitos dos negócios são em dinheiro", disse.

O Presidente do Município referiu ainda "Tínhamos a firme ideia de que era possível ter os trabalhadores que são quadros permanentes das empresas agrícolas a viver em meio urbano, em casas recuperadas ou em casas que eles próprios têm adquirido, mas a verdade é que essas são as que estão ocupadas pela maior parte das chamadas empresas de trabalho temporário e de prestação de serviços". Segundo o Edil, as empresas de trabalho temporário "são legais, têm alvará, têm condições de verificação da saúde dos seus trabalhadores e têm planos covid", sublinhando que a sua atividade tem de ser valorizada.

"Já não posso dizer o mesmo das chamadas empresas de prestação de serviços que nascem e morrem todos os dias", vincou, adiantando que situações identificadas pela Autoridade para as Condições do Trabalho (ACT) já "foram descritas a grupos parlamentares"."Fogem ao IVA [imposto sobre o valor acrescentado] e não pagam milhões de IVA, porque as pessoas depois desaparecem e ninguém é responsável", acusou.

 

Foto: RádioVoz da Planície

Últimas notícias

Histórico de Notícias

« Dezembro 2022 »
Seg Ter Qua Qui Sex Sab Dom
      1 2 3 4
5 6 7 8 9 10 11
12 13 14 15 16 17 18
19 20 21 22 23 24 25
26 27 28 29 30 31