Imprimir esta página

Alentejo

Baixo Alentejo Aprova Candidatura para Projetos de Adaptação às Alterações Climáticas nos Municípios

Baixo Alentejo Aprova Candidatura para Projetos de Adaptação às Alterações Climáticas nos Municípios Foto: CIMBAL
Regional 26 Nov. 2020

No âmbito da implementação de medidas do Plano Intermunicipal de Adaptação às Alterações Climáticas do Baixo Alentejo (PIAACBA), a CIMBAL, em parceria com a EDIA – Empresa de Desenvolvimento e Infra-Estruturas de Alqueva, S.A. viu aprovada uma candidatura a “Projetos para reforçar a adaptação às alterações climáticas a nível local”, parte do Programa Ambiente do EEA Grants.

O projeto é signado como “Viver o Clima no Baixo Alentejo”, e tem como objetivo a implementação de medidas concretas nos 8 concelhos (Aljustrel, Alvito, Beja, Cuba, Ferreira do Alentejo, Moura, Serpa e Vidigueira) que simultaneamente integram a CIMBAL e se inserem na área de influência do Empreendimento de Fins Múltiplos de Alqueva, EFMA.

Segundo divulga a CIMBAL, as medidas a implementar no território do Baixo Alentejo e concebidas pela EDIA são:  

  • Recuperar e instalar sebes, de forma a proporcionar diversidade florística e faunística muito interessante para os serviços dos ecossistemas;
     
  • Envolver municípios e proprietários no sentido de incentivar a uma correta gestão de forma a garantir a conservação de espécies ameaçadas de flora arvense e de matos;
     
  • Envolver os proprietários na gestão do pousio de forma a garantir a conservação da espécie;
     
  • Restaurar e conservar os Charcos, através do qual se pretende conservar diversas espécies;
     
  • Restaurar as galerias ripícolas e áreas adjacentes, com plantação plantas de espécies diferentes.

No comunicado da CIMBAL, pode-se ler: "Estas medidas apresentam inúmeros benefícios ambientais, sociais e económicos, nomeadamente porque atuam como sumidouros de carbono, melhoram a qualidade do ar e da água, sendo assim um poderoso meio de combate às alterações climáticas."

Com este projeto, a CIMBAL pretende alcançar um melhor nível de adaptação às alterações climáticas no seu território, através da implementação concreta de medidas materiais preconizadas com interesse ambiental e paisagístico, aproveitando as suas potencialidades paisagísticas, ecológicas, sociais e florestais.