Beja

Câmara Municipal de Beja aprova orçamento de 42,8ME para 2022

Regional 14 Jan. 2022

A Câmara de Beja aprovou o orçamento de 42,8 milhões de euros para este ano proposto pela gestão PS, com as abstenções dos vereadores comunistas e da coligação liderada pelo PSD, que o consideraram “pouco ambicioso”.

A proposta orçamental, aprovada em reunião de câmara, na quinta-feira, é de 42.860.000 euros, mais 3.921.438 euros do que o orçamento de 2021, disse hoje à agência Lusa o presidente do município, o socialista Paulo Arsénio.

Segundo o autarca, a proposta foi aprovada com votos a favor dos três eleitos da gestão PS e as abstenções dos restantes quatro, sendo três da CDU e um da coligação liderada pelo PSD e composta também por CDS-PP, PPM, Iniciativa Liberal e Aliança.

Paulo Arsénio frisou que a proposta terá ainda de ser votada, no dia 24 deste mês, pela Assembleia Municipal, onde, juntas, a CDU, com 13 eleitos, e a “Beja Consegue”, com quatro, têm maioria em relação aos 16 do PS.

O autarca disse tratar-se de uma proposta de orçamento “nos termos do que foi prometido” pela candidatura do PS que liderou e permitiu a sua reeleição nas últimas eleições autárquicas.

É uma proposta que “não desvirtua as opções de quem venceu” as eleições e que “incorpora contributos de quem não exerce funções executivas em regime de permanência”, ou seja, dos vereadores da CDU e da “Beja Consegue”, vincou.

A proposta “responde à necessidade de execução” da autarquia para este ano, “apostando na valorização e na competitividade do concelho”, afirmou.

Também é “um documento em que as rubricas não estão suborçamentadas e vai ao encontro, em termos de receita e de despesa, das possibilidades do município”, vincou.

O autarca explicou que a subida do valor da proposta de orçamento para este ano em relação à de 2021 deve-se ao final da execução e ao lançamento de concursos e empreitadas de projetos com financiamento no âmbito do Portugal 2020. 

Entre os investimentos previstos, o autarca destacou o lançamento de várias obras, como as do Fórum Romano de Beja e das segundas fases do projeto de criação de percursos acessíveis e da Zona de Acolhimento Empresarial Norte.

A proposta inclui também o aumento do apoio às coletividades e associações do concelho e “o reforço de verbas para elaboração de projetos que possam ser úteis” no âmbito do novo quadro financeiro plurianual e do Plano de Recuperação e Resiliência.

Em comunicado enviado hoje à Lusa, os vereadores da CDU na Câmara de Beja referiram que o orçamento proposto pelo PS “é demasiado limitado e pobre, muito pouco ambicioso e não garante uma resposta efetiva às muitas necessidades” do concelho.

Segundo os comunistas, “faltou” à gestão PS “ambição, planeamento, estratégia, visão e sensibilidade” para que áreas “determinantes para o desenvolvimento do concelho” tivessem “verbas mais robustas” no orçamento.

Os vereadores da CDU frisaram que se preocuparam em dar contributos e sugestões para serem “acolhidos” no orçamento, os quais foram “parcial e timidamente” integrados no documento final.

Também em comunicado enviado hoje à Lusa, o vereador social-democrata Nuno Palma Ferro considerou o orçamento proposto pelo PS “pouco ambicioso e de continuidade com os anteriores”.

O vereador lamentou que a gestão PS liderada por Paulo Arsénio continue a não ter “uma linha de definição estratégica clara que possa promover o crescimento do concelho”.

Nuno Palma Ferro disse que se absteve pelo “benefício de dúvida” que tem de dar à gestão PS para “cumprir com o acordado”.

Mas frisou que “não deixa de ser um voto crítico, porque Beja precisa de muito mais”, e “um forte sinal para que em futuros orçamentos se apresentem melhores e mais estratégicas soluções para o concelho”.

C/Lusa

Últimas notícias

Histórico de Notícias

« Janeiro 2022 »
Seg Ter Qua Qui Sex Sab Dom
          1 2
3 4 5 6 7 8 9
10 11 12 13 14 15 16
17 18 19 20 21 22 23
24 25 26 27 28 29 30
31