07 Dez. 2021
Augusta Serrano
Notícias
17:00-19:30

Santiago do Cacém

Discoteca Alentejana há nove meses a resistir para voltar a abrir as portas

Discoteca Alentejana há nove meses a resistir para voltar a abrir as portas Foto Nuno Veiga/lusa
Regional 08 Dez. 2020

A pandemia de covid-19 está a empurrar para o abismo as empresas de diversão noturna, neste cenário enquadra-se o caso da discoteca Alexander's, em Santiago do Cacém (Setúbal), que há nove meses resiste para voltar a abrir as portas.

O proprietário, Alexandre Matos, dedica-se agora a limpar o espaço, que está fechado, para garantir a longevidade dos equipamentos, na esperança de um dia voltarem "a animar a clientela".

Segundo declara Alexandre Matos à Lusa, "em dias de eventos, chegava a fazer 20 quilómetros a percorrer todos os espaços. Agora, também faço questão de andar por aqui, mas o ritmo é mais lento", desabafa.

Todos os dias, sem exceção, o empresário e a mulher passam horas na Quinta das Tílias, um espaço com mais de sete hectares, à entrada da cidade de Santiago do Cacém, onde ergueu o seu "império". Além da discoteca, criou ainda um salão para casamentos e outros eventos e um alojamento local.

"Pela minha saúde mental tenho de vir cá todos os dias porque é muita pressão. Tenho de esquecer, fazer frente e aguentar isto até que passe esta pandemia", sublinha o empresário, que aos 21 anos se lançou nesta aventura.

O proprietário é o principal rosto de um espaço que apelida de "instituição da noite", local incontornável de diversão, em funcionamento há 36 anos, mas que a pandemia de covid-19 veio "desligar da corrente".

"Abrimos em fevereiro, para o 36.º aniversário, e a partir daí foi tudo cancelado. Tínhamos as grandes festas do verão para fazer e até agora não fizemos mais nada, inclusivamente, na área dos eventos, tínhamos casamentos e bailes de finalistas com mais de 400 pessoas, mas foi tudo cancelado", relata.

O alarme causado pelo SARS Cov-2, um vírus inicialmente desconhecido e com uma elevada taxa de mortalidade, levou a que, "logo no grande confinamento, houvesse um pânico geral e as pessoas optassem por cancelar os eventos e reagendar alguns para o próximo ano".

O espaço noturno, inaugurado em 1984, já viveu dias gloriosos, mas os meses de confinamento que se arrastam no tempo representam um ano perdido para a empresa que Alexandre criou e à qual dedicou toda a sua vida.

Isto "representa um ano zero até agora", explica o responsável que "tem uma estrutura [fixa] pequena", embora as despesas fixas sejam de mais de três mil euros mensais.

"Como trabalhamos com muitos empregados, consoante o número de pessoas necessárias para os serviços, dá-nos uma certa vantagem, mas temos as despesas fixas que estamos a suportar há nove meses, sem qualquer receita", refere o empresário que tem recorrido "a capitais próprios" para fazer face aos compromissos financeiros.

A discoteca está hoje "congelada no tempo" com as pistas vazias, o pó a acumular-se nos equipamentos de som, desligados há meses, e o silêncio a "ecoar" das grandes colunas que decoram o espaço.

A quebra de clientes fez com a empresa se adaptasse e, a partir dessa altura, a discoteca "passou a ser um complemento de outros eventos" por se tratar de "um espaço que se pode utilizar para muita coisa, menos agora, porque a pandemia acertou em cheio em todas as nossas vertentes de negócio", diz, com voz embargada.

O alojamento local ajudou a minimizar o impacto da pandemia, durante os meses de verão, mas o mesmo não se pode dizer da passagem de ano, "um balão de oxigénio" para o setor que acabou "riscado" do calendário.

"Ainda a semana passada recebi telefonemas para saber se estava a pensar fazer a Passagem de Ano mas estou a dizer às pessoas que não há condições para o fazer. Seria o balão de oxigénio para os primeiros meses do ano, mas está fora de questão e até lá não temos qualquer rendimento", lamenta.

Da parte do Estado, "até agora não consegui qualquer ajuda", indica o responsável, afirmando esperar "apoios a fundo perdido para a recuperação do negócio e um apoio à retoma para que as pessoas consigam voltar a abrir, ter crédito e minimizar os prejuízos".

"Estou a ter prejuízos todos os meses e a fazer pagamentos por conta para o ano de 2021, sobre os lucros de 2019, quando este ano não tenho qualquer lucro. Estão-se a ir 'os anéis e os dedos' para ver se consigo aguentar a casa até que isto passe e poder voltar a abrir", acrescenta.

Apesar de apreensivo quanto ao futuro, o empresário recusa-se a cruzar os braços e promete ainda alguma luta para voltar a reabrir as portas às "noites saudáveis" da discoteca Alexander's.

"Não sei se voltarei a trabalhar como antigamente, mas tenho esperança de que irei fazer qualquer coisa para recuperar parte do negócio e sobreviver porque estamos desejosos de ver alegria e música nesta casa", conclui à Lusa.

 

(Fonte: Lusa)

Últimas notícias

Histórico de Notícias

« Dezembro 2021 »
Seg Ter Qua Qui Sex Sab Dom
    1 2 3 4 5
6 7 8 9 10 11 12
13 14 15 16 17 18 19
20 21 22 23 24 25 26
27 28 29 30 31