×

Alerta

JUser: :_load: Não foi possível carregar o utilizador com o ID: 63
Imprimir esta página

Alentejo

“O Alentejo tem condições naturais e extraordinárias para que as pessoas possam viver” diz Seguro Sanches (c/som)

Regional 11 Jun. 2020

Jorge Seguro Sanches, Secretário de Estado Adjunto e da Defesa Nacional e Autoridade de Coordenação da Situação de Calamidade na região do Alentejo, apresentou na manhã de terça-feira os dados da COVID-19 na região, onde a RC esteve presente.

Seguro Sanches questionado sobre o facto do Alentejo ser a região com menos casos de Portugal Continental e o eventual desenvolvimento económico e turístico que isso pode trazer para a região, afirma que “o Alentejo é das regiões do país que tem melhores condições para que as pessoas possam viver”.

O Secretário de Estado fala sobre as condições turísticas e agrícolas da região que vê como “extraordinárias”.

Durante muitos anos as pessoas que viviam no interior optavam por sair e ir para as grandes cidades do litoral. Mas, para Jorge Sanches, o Alentejo representa agora a capacidade “distanciamento social” e as “boas condições para isso”.

 “Acho que esta pandemia, no mínimo, exige-nos uma reflexão sobre a forma como temos vivido enquanto sociedade e como povo e isto não acontece apenas em Portugal, noutros países há a mesma situação em que as pessoas procuraram muito aproximar-se das grandes cidades”, afirma.

Por todas as condições que referiu e que, neste momento de desconfinamento, se tem visto a preferência das pessoas pelo Alentejo, Jorge Seguro Sanches explica que “o Alentejo, à partida, tem condições naturais e extraordinárias, com algum investimento de que precisa, tem grandes condições para ser um local onde as pessoas queiram viver, para educar os seus filhos, para estudar e portanto eu aposto nisso e acredito nisso, porque acho que o Alentejo, assim como o interior do país, têm grandes condições para o fazer”.

No entanto, volta a apelar a uma “reflexão sobre a forma como devemos viver, se é em cerca de 80% da costa portuguesa ou se queremos, pelo contrário, ter presença pelo território português todo, nomeadamente o interior”.