Imprimir esta página

COMPORTA

O Alentejo vai acolher complexo turístico sustentável de 4mil m2 de construtora espanhola

Regional Escrito por  02 Dez. 2021

A empresa espanhola Construcía, pioneira na construção circular, vai introduzir em Portugal a sua metodologia para garantir a sustentabilidade construtiva. A empresa projeta a construção na Comporta, na costa alentejana, um centro turístico de baixíssima densidade, pensado de forma integrar o modelo de circularidade sustentável, desde os planos à posterior recuperação dos materiais, passando também pela exploração do próprio complexo.

O projeto de 4 mil metros quadrados começará a ser construído em dezembro, numa propriedade de 18,6 hectares. Este é o primeiro projeto do género a ser construído a sul da Europa. Será composto por 15 alojamentos independentes, 4 vilas, 1 centro de bem-estar, 1 espaço polivalente e 1 restaurante dirigido pelo chef Rafa Zafra, dos Restaurantes Estimar, em Madrid e Barcelona, ​​e Casa Jondal, em Ibiza.

“A família proprietária desejava preservar esse legado natural para as gerações futuras e o projeto B-Água será uma referência no território para gerar um impacto positivo nas pessoas e no meio ambiente. Não é apenas mais um projeto, mas um novo conceito ", destaca Arturo Fernández, CEO e fundador da Construcía, em declarações ao La Información. Para o projeto 'B-Água', a Construcía conta ainda com o seu parceiro Eco Intelligent Growth (EIG), uma consultora especializada em economia circular e, em conjunto, conceberam um centro turístico que cumpre os requisitos europeus máximos: o enquadramento dos níveis .para a Construção Sustentável, da Comissão Europeia.

“Unimos a Level (s) ao modelo de economia circular da nossa metodologia Lean2Cradle®, desde a conceção à utilização futura dos recursos utilizados. A nossa metodologia construtiva permite eliminar a geração de resíduos e maximizar os benefícios ambientais”, destaca Arturo Fernández. Além desses protocolos, o projeto prevê a aplicação das metodologias TrueValue®, desenvolvidas pela consultoria KPMG, e C3A®, desenvolvido em conjunto pela EIG e o Politecnico di Milano, que juntos monitoram os materiais do projeto, desde a sua conceção, em um inventário digital (passaporte de materiais) e considera todas as externalidades de um projeto de construção.

O projeto inclui também a recuperação dos materiais ao atingir a sua vida útil e a emissão de gases com efeito de estufa (associados ao consumo de energia dos edifícios e materiais ao longo de todo o seu ciclo de vida e utilizações subsequentes). Também leva em consideração o uso eficiente dos recursos hídricos e energéticos.

O B-Água será composto por um edifício central, onde ficarão a receção e o restaurante, que serão rodeados por 15 alojamentos independentes, com uma área de 70 m2 cada e uma zona comum de piscina completa com bar. A decoração será simples, mas cuidadosa, de acordo com a filosofia de sustentabilidade que norteia todos os aspetos do projeto como estratégia geral. As fundações dos edifícios serão executadas a seco para minimizar os impactos ao meio ambiente, a estrutura será em madeira, assim como o isolamento e uma grande percentagem dos materiais de construção.

Além disso, o projeto contempla quatro vilas, cada uma com um hectare de envolvente natural com acesso privativo e piscina, compostas por 4 suites, cozinha, sala de jantar e sala de estar. Existe também um restaurante aberto ao público e uma cúpula exterior polivalente para atividades de todo o tipo, flexível também para as atividades terapêuticas a que o projeto se destina. Um dos grandes leitmotifs do projeto é projetado no espaço sideral do complexo, que será denominado Onda.

Este espaço oferecerá ainda um denominado “método B-Água”, que consiste num conjunto de terapias à base de água, suspensão mineral, tecnologia visual e auditiva, posturas e movimentos combinados baseados em práticas diversas (ioga, Pilates, Tai Chi, alinhamento muscular e outros).