Imprimir esta página

O verde da serra D'Ossa, o branco do mármore e um trilho ferroviário para descobrir. Saiba tudo aqui!

Regional 17 Nov. 2021

A beleza da paisagem de Estremoz convida a passeios por entre cenários díspares. Dos brancos do mármore, ao verde da Serra D´Ossa, passando pelo azul de albufeiras e barragens, cada passo é uma descoberta, conta o portal "Boa Cama boa mesa".

Em pleno Alentejo Central, Estremoz, também conhecida como “Cidade Branca” devido às jazidas de mármores com reputação internacional que aqui existem em quantidade, tem tanto para oferecer em termos de riqueza patrimonial e arquitetónica, como de bons momentos passados na Natureza.

Porque se encontra na terra do mármore por excelência, não perca um programa alternativo, que promete torna-se numa experiência única: a visita a uma pedreira de mármore. A Pedreira Municipal de Estremoz está de portas abertas aos visitantes (€5,50), mas somente mediante marcação. Outros programas organizados são realizados noutras pedreiras, mas, por se tratar de locais em laboração, existem regras de segurança a cumprir, entre as quais o uso de um capacete de proteção fornecido pelo Centro Ciência Viva de Estremoz (tel. 268334285), a entidade promotora de algumas destas visitas (a partir de €7). Nesta atividade deslumbre-se com a imponência das pedreiras de mármore e com a marca que deixam na paisagem alentejana.

A Rota do Mármore do Anticlinal de Estremoz (tel. 965087618) é um serviço de visitas que oferece várias experiências em torno do tema, incluindo visitas a pedreiras, percursos urbanos e rurais, e oficinas de canteiro (seleção de pedras e técnicas de talhe).

Também promovidas pelo Centro Ciência Viva de Estremoz observações astronómicas diurnas e noturnas para fazer (€8) e “viagens pelo sistema solar” para percorrer (a partir de €7), a pé ou de bicicleta, em percursos que podem ter 5,5 km (Do Sol até Júpiter… e volta), até 65 km (Do Sol até Plutão… e volta). Mediante pagamento de caução, o Centro de Ciência Viva disponibiliza bicicletas a todos os interessados.

Novidade, por estes dias, é o Baloiço Serra d’Ossa, que está construído na estrada da meia serra. Daqui avista-se uma paisagem rural, povoada de vinhedos e extensas planícies.

Com o ponto mais alto a 653 metros de altitude, a serra D´Ossa entre Estremoz e o Redondo, é perfeita para passeios a pé, ou então de bicicleta, no caso BTT, nos vários trilhos existentes. Os passeios a cavalo são também uma atração na serra, com várias empresas a promoverem experiências guiadas. Conhecida como um dos pulmões do Alentejo, se caminhar atentamente, encontrará grande variedade de plantas e animais.

nserida na rede de percursos pedestres da serra d’Ossa, a Rota do Canal, em Estremoz, tem cerca de 5 km de extensão, com início no Pelourinho, atravessa o Monte da Cerca e a Anta da Cerca e cruza um sobreiral onde se podem observar ninhos de águias que habitam na serra. A partir daqui, e em vez de regressar, a sugestão é continuar até ao ponto mais alto da serra e seguir a Rota de São Gens, também chamada PR3 EZT, um percurso circular com um total de 10 km. Além das águias, a Serra D´Ossa abriga espécies animais como a gineta, a raposa, o javali e o texugo. As aves mais comuns, a par da águia-de-bonelli, são a carriça, o pisco-de-peito-azul, a cotovia e o melro-preto. Cobras também há, mas, sossegue, são inofensivas para os humanos. Conheça também os novos passadiços da serra D'Ossa.

Os adeptos de caminhadas devem também ir ao encontro do Monumental Estremoz, percurso pedestre de 11 km por Estremoz, que integra o Festival de Caminhadas TransAlentejo. Com partida numa das maiores praças centrais do país, o Rossio de Estremoz, integra trilhos agrícolas, entre vinhas e searas. A grande área de vinhedo existente e as mais de 20 adegas da região proporcionam também enriquecedoras experiências de enoturismo, que incluem visitas guiadas e provas.

O Trilho ferroviário de Evoramonte a Estremoz segue, durante 26 km, por uma linha de ferro abandonada. A paisagem é de montado e, por vezes, é necessário passar pelo interior de quintas e abrir cancelas em terrenos vedados. Os proprietários estão habituados e não se importam, mas lembre-se de voltar a fechar as cancelas, para evitar a fuga de animais que estejam no pasto.

De terra para a água, visite a Albufeira de Veiros a 10 quilómetros de Estremoz, um espelho de água rodeado de natureza, ou a Barragem das Aldeias, de beleza serena.
Termine a visita onde começou, na cidade, suba ao Miradouro do Castelo e despeça-se com uma ampla vista não só para Estremoz, como para várias povoações vizinhas, a perder de vista.

In https://boacamaboamesa.expresso.pt/