×

Alerta

JUser: :_load: Não foi possível carregar o utilizador com o ID: 63
Imprimir esta página

Evora

Obras esquecidas de compositores da Sé de Évora reveladas no novo álbum do Grupo Vocal Olisipo

Regional 26 Nov. 2020

O novo disco do Grupo Vocal Olisipo, "Herança", a sair em dezembro, é composto por 20 obras de polifonia portuguesa dos séculos XVI a XIX, vindas do arquivo da Sé de Évora, algumas em primeira audição moderna.

Entre estas obras esquecidas, que aqui são reveladas, em estreia moderna, encontram-se composições de Manuel Rebelo, Francisco José Perdigão, Afonso Lobo, Miguel Anjo do Amaral, Estevão Lopes Morago, Francisco Martins, André Rodrigues Lopo e Pedro Vaz Rego.

O grupo não edita há mais de uma década, tendo sido possível ultrapassar as contingências da pandemia para gravar este disco no auditório da Escola Superior de Música de Lisboa, "que tem excelentes condições acústicas", disse à agência Lusa o maestro Armando Possante.

O novo álbum foi realizado em estreita colaboração com o musicólogo Luís Henriques e, além das peças históricas, inclui um conjunto de treze poemas, "Testamentos", de Tiago Patrício.

Relativamente, ao património da polifonia vocal sacra da Catedral de Évora, estão representados compositores que não desenvolveram atividade na instituição, mas "possuem laços musicais" com ela, "sobretudo através da sua aprendizagem musical", sem esquecer "os que exerceram funções na Catedral, como mestres de capela, mestres da claustra ou cantores, até ao início do século XIX, atestando a continuidade da escrita vocal a cappella nesta instituição eborense".

O alinhamento escolhido inclui peças da chamada "geração de ouro", do final do século XVI e da primeira metade do século seguinte, assim como da segunda geração de compositores setecentistas.

Do primeiro grupo fazem parte Manuel Mendes, com "Alleluia", e ainda Duarte Lobo, que foi mestre de capela da Catedral de Lisboa, de quem foi gravado "Magnificat Primi Toni". Também desta "geração de ouro", foi gravado o motete "Mulier quae erat", de frei Manuel Cardoso, mestre de capela do Convento do Carmo, em Lisboa.

Da segunda geração de setecentos, foram gravadas peças do mestre de capela da Sé de Viseu, Estêvão Lopes Morago, dois responsórios 'pro defunctis' e três motetes para o Advento, e ainda, de Manuel Rebelo, mestre de capela da Catedral eborense, o motete "Regina Caeli".

De Francisco Martins, originário de Évora e mestre de capela na Catedral de Elvas, foi gravado o responsório das Matinas de Sábado Santo, "Plange quase virgo", de pleno século XVII.

As peças de polifonia vocal a cappella escolhidas foram compostas para determinados períodos do calendário litúrgico católico, nomeadamente o Advento, a Quaresma e a Semana Santa.

Luís Henriques salientou a gravação de peças "de extrema expressividade, bem como uma apurada técnica contrapontística e controlo da dissonância", como os motetes "Adjuva nos Deus" e "Salve Regina", de Diogo Dias Melgaz, discípulo de Manuel Rebelo e seu sucessor, ou o salmo "Beati omnes", de Pedro Vaz Rego, que por seu lado sucedeu a Melgaz, na Catedral de Évora.

O musicólogo chama ainda à atenção para uma série de cinco motetes, destinados aos domingos da Quaresma, e para uma "Missa Dominicalis", do tempo do Advento e da Quaresma, de Afonso Lobo.

Luís Henriques defende a origem eborense deste compositor, afirmando que a atribuição destas obras ao espanhol Alonso Lobo (1555-1617), por vários estudos, constitui "uma parte estranha da produção deste compositor, uma vez que só existem em dois livros de coro de Évora".

Para as traduções dos textos sacros das obras musicais, o grupo optou pelas de Frederico Lourenço, a partir da sua edição da Septuaginta, a chamada Bíblia Grega.

O Grupo Vocal Olisipo foi fundado em 1988, e é constituído por Elsa Cortez, Maria Luísa Tavares, Lucinda Gerhardt, Carlos Monteiro e Armando Possante, que o dirige, desde a sua fundação.

Ao longo da sua atividade o grupo trabalhou com o Hilliard Ensemble, The King's Singers e a soprano Jill Feldman, entre outros músicos.

O grupo conquistou uma menção honrosa no Concurso da Juventude Musical Portuguesa e o 1.º prémio nos concursos internacionais May Choir Competition, em Varna, na Bulgária, Tampere Choir Festival, na Finlândia, e no 36.º Concorso C.A.Seghizzi, em Gorizia, e no V Concorso di Riva del Garda, ambos em Itália.