Imprimir esta página

Borba

ORADA: “Queremos preservar o saber dos mais antigos sobre as plantas e passá-lo de geração em geração” diz Paulo Laranjo da Casa da Cultura da Orada (c/som e fotos)

Regional Escrito por  14 maio 2022

Decorre este fim de semana, na freguesia da Orada, concelho de Borba, o Evento "Ervas & Companhia", numa organização conjunta da Casa da Cultura da Orada e do Município de Borba, contando ainda com o apoio da Junta de Freguesia local.

Esta iniciativa pretende destacar atividades ligadas à natureza e à descoberta das potencialidades das ervas alimentares e aromáticas e o mercado tradicional de promoção de ervas e de produtos regionais.

A Rádio Campanário esteve presente e falou com Paulo Laranjo, Presidente da Casa da Cultura da Orada que, em declarações à RC começou por referir “esta é já a 7ªedição deste evento, depois de dois anos de interregno devido à pandemia, no entanto estamos de regresso este ano e penso que da melhor forma.”

A iniciativa aposta este ano “num formato ao ar livre”. Para o Presidente da Casa da Cultura este evento sublinha a importância da cultura popular e “as plantas alimentares aromáticas e medicinais foram durante muito tempo o sustento de muitas famílias” destacando que “as pessoas iam muitas vezes para as mondas e traziam do campo as plantas que à noite confecionavam.”

Muitas destas plantas eram ainda utilizadas nas tradicionais “mezinhas” porque como refere Paulo Laranjo “as pessoas não tinham condições financeiras de comprar remédios e utilizavam as plantas que conheciam para curarem as suas “maleitas”.”

A freguesia da Orada, sendo uma freguesia rural, ligada à agricultura “é o local ideal para realizar este evento” refere o responsável.

A Casa da Cultura da Orada, em conjunto com o Município de Borba e a Junta de Freguesia Local adaptaram o evento de “uma forma cultural” .

Este evento, refere Paulo Laranjo, “tem pernas para continuar” ressalvando que “as pessoas estão mais atentas a este tipo de atividades, nomeadamente às plantas, e cada vez mais querem saber mais sobre elas “.

Paulo Laranjo confessa que o pouco que sabe “aprendeu com pessoas idosas” afirmando “e é esse saber que nós prendemos preservar e divulgar para que passe de geração em geração.”