19 Jan. 2022
 
Rimas ao Sul
14:00-15:00

Ourique

PCP considera intolerável fecho de unidade de cuidados continuados em Ourique

Regional 14 Jan. 2022

O PCP considera intolerável o fecho da unidade de cuidados continuados de Garvão, concelho de Ourique, distrito de Beja, o que eliminou 30 camas de internamento e deixou 40 pessoas desempregadas e com salários em atraso.

A posição dos deputados do PCP João Dias e Paula Santos surge em duas perguntas dirigidas às ministras da Saúde e do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social sobre o fecho da Unidade de Cuidados Continuados de Longa Duração e Manutenção da Associação de Solidariedade Social Futuro de Garvão (ASSFG).

O fecho, na quarta-feira, “não é tolerável pela necessidade que estes cuidados de saúde fazem, pelas escassas oportunidades de emprego no distrito de Beja e pela utilização de fundos públicos”, que “deveriam colocar” a unidade “ao serviço da população e não do negócio e dos interesses privados”, referem os deputados.

Por outro lado, lamentam, o fecho obrigou à transferência dos utentes para outras unidades, eliminou “30 camas da tipologia de internamento de longa duração, a mais carente da Rede de Cuidados Continuados”, e extingui 40 postos de trabalho, deixando os respetivos trabalhadores desempregados e “com salários em atraso”.

Segundo os deputados, a unidade implicou um investimento superior a um milhão de euros, financiado “em mais de 722 mil euros” pela Administração Regional de Saúde (ARS) do Alentejo, com fundos públicos do Programa Modelar.

Por isso, a ASSFG “decidiu alienar, em março de 2019, o terreno e o edifício” da unidade “à empresa Clínica Fiel Santos Cardoso, Lda., pelo valor de um milhão e 400 mil euros”.

Contudo, ao abrigo dos acordos com a ARS do Alentejo, a unidade continuou a funcionar sob gestão da ASSFG, que passou a pagar uma renda à empresa pelo uso do edifício.

A renda era paga com uma comparticipação de 50%, até ao limite de mil euros mensais, suportada, em partes iguais, pelos ministérios da Saúde e do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social.

Os deputados salientam que a unidade recebeu financiamento público para ser construída e a Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados assumiu encargos com os cuidados prestados aos utentes.

Segundo os deputados, os acordos entre a ARS do Alentejo e a ASSFG cessaram em outubro de 2021 e foram celebrados novos entre aquele serviço do Ministério da Saúde e a empresa Clínica Fiel Santos Cardoso, Lda.

João Dias e Paula Santos referem que a ASSFG “recusa-se a rescindir os contratos e a pagar” aos trabalhadores as compensações e indemnizações devidas e o salário de dezembro de 2021 em atraso.

“No entanto, foi a associação a garantir o pagamento do vencimento de novembro e o subsídio de Natal”, quando a entidade gestora da unidade já era a Clínica Fiel Santos Cardoso, Lda., que também se recusa “a pagar o salário de dezembro em atraso e a assumir os direitos dos trabalhadores que estão ao seu serviço”, acusam os deputados.

C/Lusa

Últimas notícias

Histórico de Notícias

« Janeiro 2022 »
Seg Ter Qua Qui Sex Sab Dom
          1 2
3 4 5 6 7 8 9
10 11 12 13 14 15 16
17 18 19 20 21 22 23
24 25 26 27 28 29 30
31