Imprimir esta página

Portugal regista uma quebra de 28% na produção de azeite

Regional 15 Abr. 2021

Segundo o anuário agrícola, Portugal deverá alcançar uma produção de azeite de apenas 100 mil toneladas, ou seja, menos 28% do que na campanha 2019/2020.

Esta quebra é considerada normal, tendo a ver com a safra e contra-safra. ou seja, após uma campanha de elevada produção de azeitona e azeite, como foi a de 2019/2020, é normal que na campanha seguinte, ou seja a actual, haja menos produção.

Em adição, as condições climáticas também afetaram a campanha, devido às chuvas da primavera que afetaram a polarização e a floração.

De acordo com o site "A Planície" Henrique Herculano da Cooperativa Agrícola de Moura e Barrancos salientou que “referente ao ano de 2020, em relação à azeitona elaborada, houve uma quebra de 25%. O que em quantidade de azeite agravou o ano para 35%, na medida em que se verificaram rendimentos de laboração muito baixos, em linha, mais ou menos, como se passou na generalidade do Alentejo”.

Sobre a qualidade adiantou que “quanto à qualidade temos uma boa qualidade organoléptica, embora tenha sido verificado alguns problemas a nível de acidez que são problemas de análise simoquimica, que não reflecte no sabor do azeite, apenas nos dão algum trabalho adicional na construção dos laços nada mais”.

A quebra da produção de azeite vai-se registar a nível nacional com uma produção apenas de 100 000 toneladas, o que equivale a menos 28%.

De recordar que a região do Alentejo produz quase 75% do azeite nacional.