Alentejo Litoral

Presidente da CIM do Alentejo Litoral reclama medidas do Governo

Presidente da CIM do Alentejo Litoral reclama medidas do Governo Foto: CIMAL
Regional Escrito por  11 Fev. 2022

O presidente da Comunidade Intermunicipal do Alentejo Litoral (CIMAL), Vítor Proença, manifestou-se hoje preocupado com os efeitos da seca na agricultura e defendeu a adoção de medidas pelo Governo em relação aos recursos hídricos na região.

“O Governo tem de adotar medidas relativamente aos recursos hídricos, porque as alterações climáticas vieram para ficar”, alertou à agência Lusa o presidente da CIMAL, Vítor Proença (CDU).

O também presidente da Câmara de Alcácer do Sal (Setúbal) reconheceu que a situação “é preocupante” na região do Vale do Sado, “sobretudo para a agricultura”.

No Vale do Sado, “a situação, apesar de tudo, é um pouco mais confortável”, considerou o autarca, garantindo que a água da barragem do Pego do Altar, que está com uma capacidade de 53% de armazenamento, “vai chegar para a cultura do arroz”.

De acordo com o autarca, a albufeira de Vale do Gaio, que já tem uma ligação à barragem do Alqueva, “está a 52% e, se for necessário, vai-se comprar água à EDIA [Empresa de Desenvolvimento e Infraestruturas de Alqueva], que está a cerca de 31 cêntimos o metro cúbico”.

Isto “é muito caro, tendo em conta o que os agricultores pagam à Associação de Regantes” e Beneficiários do Vale do Sado (ARBVS), indicou.

No que toca à agricultura, é que são necessárias “medidas urgentes” para “aumentar as reservas de água” na zona do Vale do Sado, reclamou o autarca.

“O Ministério da Agricultura, em conjunto com o Ministério do Ambiente e as associações de regantes, têm de adotar medidas para guardar e aproveitar o máximo de água, porque há muita água que fica nas albufeiras, quando chove, mas há muita água que se perde”, afirmou.

Por isso, o presidente da CIMAL, reclamou do Estado apoios para as zonas do Baixo Alentejo e Vale do Sado, no âmbito do Plano de Recuperação e Resiliência (PRR).

“Não se entende como é que no PRR foram abertos avisos de concurso exclusivamente para o Algarve, para a eficiência hídrica”, e “o Estado não olha para zonas muito mais graves, como o Baixo Alentejo e o Vale do Sado”, criticou.

De acordo com o IPMA, em relação à precipitação, janeiro de 2022 foi o 6.º mais seco desde 1931 e o 2.º mais seco desde 2000.

C/Lusa

Últimas notícias

Histórico de Notícias

« Dezembro 2022 »
Seg Ter Qua Qui Sex Sab Dom
      1 2 3 4
5 6 7 8 9 10 11
12 13 14 15 16 17 18
19 20 21 22 23 24 25
26 27 28 29 30 31