Imprimir esta página

Alentejo

PSD quer ouvir a DGPC sobre a destruição de património arqueológico no Alentejo

Regional 11 Dez. 2020

O grupo parlamentar do Partido Social Democrata (PSD), na sequência das audições parlamentares à diretora regional da Cultura do Alentejo e a Vítor Gonçalves e Ana Catarina Sousa, da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, a Leonor Rocha, da Universidade de Évora, e à Associação dos Arqueólogos Portugueses, quer ouvir o diretor-geral do Património Cultural, Bernardo Alabaça, sobre a destruição de património arqueológico no Alentejo.

De acordo com a notícia avançada pela Agência Lusa, o requerimento "sobre a desproteção e a destruição sistemáticos dos vestígios arqueológicos na região do Alentejo" vai ser votado na reunião de terça-feira da Comissão de Cultura e Comunicação da Assembleia da República, em Lisboa.

No dia em que está prevista a votação do requerimento, vão ser ainda ouvidos, na sequência do requerimento apresentado pelo grupo parlamentar do Bloco de Esquerda, Miguel Serra, arqueólogo da Câmara Municipal de Serpa, o Sindicato dos Arqueólogos e a Associação Pró-Évora.

Recorde-se que, tal como a Rádio Campanário noticiou, a recente destruição de uma anta numa herdade perto de Évora, alegadamente por causa da plantação de um amendoal intensivo, está a ser investigada pelo Ministério Público, depois de a direção regional ter apresentado uma queixa-crime.

Um movimento de cidadãos, designado Chão Nosso, também denunciou recentemente a destruição de uma outra anta, no concelho de Mora (Évora), e danos provocados num sítio arqueológico no concelho de Beja, devido a trabalhos agrícolas.