03 Mar. 2021
Nuno Rocha
Ponto de Contacto
11:00-13:00
×

Alerta

JUser: :_load: Não foi possível carregar o utilizador com o ID: 63
JUser: :_load: Não foi possível carregar o utilizador com o ID: 68

PSP

PSP alerta para os perigos da estrada no Dia Mundial em Memória das Vitimas da Estrada

Regional 16 Nov. 2020

Assinala-se hoje, dia 15 de novembro, o Dia Mundial das Vítimas da Estrada dedicado à memória das pessoas falecidas ou feridas em desastres de viação em todo o mundo. Neste dia é, igualmente, prestada homenagem às equipas de emergência, à polícia e aos profissionais médicos que diariamente lidam com as consequências traumáticas da sinistralidade.

A PSP alerta e divulga as estatísticas ligadas às mortes na estrada e as suas prevenções.

É de notar que este é um problema recorrente em Portugal, registando-se na última década 6880 vítimas mortais em resultado direto da sinistralidade rodoviária.

De acordo com a Global Road Safety Report_2018 - Summary – WHO, resultante dos acidentes rodoviários a  nível mundial, anualmente, em média falecem 1,35 milhões de pessoas, cerca de 3700 pessoas por dia ou 1 pessoa a cada 24 segundos, para além de 50 milhões que ficam feridas.

A nível europeu, de acordo com a Base de Dados da União Europeia sobre Acidentes de Circulação Rodoviária – CARE, faleceram nas estradas europeias 21 700 pessoas, o equivalente a 60 pessoas por dia e 1,09 milhões sofreram ferimentos, dos quais, 179 mil com gravidade.

Em Portugal, em 2018, morreram nas estradas portuguesas 625 pessoas e ficaram feridas 43 330, das quais, 1 995 em estado grave.

Deste total nacional, na área da Polícia de Segurança Pública (PSP), foram registados em 2018:

·         Acidentes com vítimas 15 642;

·         Vítimas mortais 83;

·         Feridos graves 771;

·         Feridos leves  18 274.

Os dados do ano de 2019, a nível nacional, são os seguintes:

·         Acidentes com vítimas 16 341;

·         Vítimas mortais 107;

·         Feridos graves 788;

·         Feridos leves  19 063.

Ainda assim, verificamos que, tanto a nível global como nacional, o panorama da sinistralidade rodoviária e das suas consequências tem vindo a melhorar consistentemente:

Evolução da sinistralidade na União Europeia (UE28) – nº de vítimas mortais

Fonte: Comissão Europeia, CARE

Fonte: ANSR

Uma das principais causas da sinistralidade, altamente potenciadora de ferimentos e danos graves, é a velocidade excessiva. Quanto maior é a velocidade do veículo, menor é o tempo de reação disponível para evitar qualquer obstáculo e/ou corrigir a rota da viatura e, inversamente proporcional, maior é a distância necessária para imobilizar por completo o veículo.

O aumento de velocidade como forma de “chegar mais depressa” é um falso sentimento, porquanto numa viagem de 10 km em circuito maioritariamente com limite de velocidade de 80 km/h implica o dispêndio de 8 minutos e 10 segundos. Se realizada a mesma viagem a uma velocidade de 100 km/h implicará o dispêndio de 6 minutos e 25 segundos. Ou seja, a poupança de menos de 2 minutos implica a prática de uma infração grave.

De acordo com a OMS (2018), e tendo como referência a velocidade máxima permitida, diminuir a velocidade em 5% traduz-se na redução em 30% da probabilidade de ser interveniente num acidente de viação com consequências graves.

Nesta senda, a Polícia de Segurança Pública (PSP) continuará a apostar na proatividade policial, realizando operações de fiscalização de controlo da velocidade em locais propensos a acidentes de viação, também com base na estatística dos acidentes registados.

Últimas notícias

Histórico de Notícias

« Março 2021 »
Seg Ter Qua Qui Sex Sab Dom
1 2 3 4 5 6 7
8 9 10 11 12 13 14
15 16 17 18 19 20 21
22 23 24 25 26 27 28
29 30 31