seca

Seca: Águas Públicas do Alentejo com povoações de seis concelhos abastecidas por autotanques

Seca: Águas Públicas do Alentejo com povoações de seis concelhos abastecidas por autotanques Foto: Inforpress
Regional Escrito por  Lusa 02 Ago. 2022

O abastecimento público de água em localidades de seis concelhos servidos pelo sistema da Águas Públicas do Alentejo (AgdA) está a ser assegurado através de autotanques, devido à seca, revelou hoje a empresa.

Numa resposta a questões colocadas pela agência Lusa através de correio eletrónico, a AgdA indicou que o abastecimento com recurso a autotanques, que levam a água para o depósito, está a verificar-se em povoações de Aljustrel, Mértola e Moura (no distrito de Beja), Alcácer do Sal e Santiago do Cacém (Setúbal) e Montemor-o-Novo (Évora).

Segundo a empresa, destes seis concelhos, o de Mértola é o que se encontra nesta situação há mais tempo, tendo o abastecimento com autotanques tido início ainda no inverno, em fevereiro.

Segue-se o concelho de Santiago do Cacém, cujo fornecimento de água com autotanques começou em maio, enquanto em povoações de Montemor-o-Novo começou em junho e de Moura, Alcácer do Sal e Aljustrel arrancou em julho, adiantou.

A AgdA referiu que “algumas situações” justificam-se devido à “perda de produtividade da origem subterrânea ou à diminuição do volume de água captado”, notando que, nos casos reportados a julho, verificaram-se “aumentos de consumo” de água.

“As situações verificadas resultam da conjugação de fatores como a perda de produtividade de captações subterrâneas e o aumento dos consumos de água, habituais para esta época do ano”, sublinhou.

Com uma “comunicação diária da evolução de consumos de água aos respetivos municípios” e recomendações para a restrição de usos não potáveis, a empresa salientou que está também a preparar “origens alternativas”.

“Nas situações em que tal é possível, está a ser preparada a operacionalização de origens alternativas, nomeadamente novas captações ou reativação de furos municipais”, assinalou a Águas Públicas do Alentejo, sediada em Beja.

Até agora, acrescentou, “o reforço com transportes de água através de autotanques e a reativação de origens alternativas tem permitido garantir o abastecimento às populações, tendo em conta a dimensão dos aglomerados”.

A AgdA foi constituída em 25 de setembro de 2009, tendo por acionistas o grupo Águas de Portugal e a Associação de Municípios para a Gestão da Água Pública do Alentejo, constituída por 20 câmaras municipais dos distritos de Beja, Évora e Setúbal.

A empresa gere o Sistema Público de Parceria Integrado de Águas do Alentejo, criado em 2009, numa parceria entre o Estado e as autarquias.

Mais de um quarto do território do continente estava no final de junho em seca extrema (28,4%), verificando-se um aumento em particular na região Sul e em alguns locais do interior das regiões Norte e Centro, segundo o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).

O restante território estava em seca severa (67,9%) e seca moderada (3,7%).

No último dia do mês de maio, 97,1% do território estava em seca severa, 1,5% em seca moderada e 1,4% em seca extrema.

No final de junho, os valores de percentagem de água no solo continuavam muito baixos em todo o território e em especial no interior do Norte e Centro, no Vale do Tejo, no Alentejo e no Algarve.

Últimas notícias

Histórico de Notícias

« Dezembro 2022 »
Seg Ter Qua Qui Sex Sab Dom
      1 2 3 4
5 6 7 8 9 10 11
12 13 14 15 16 17 18
19 20 21 22 23 24 25
26 27 28 29 30 31