Imprimir esta página

NACIONAL

Temperaturas máximas não eram tão baixas há 20 anos.Portel foi um dos concelhos mais frios

Regional 13 Jan. 2021

O Instituto Português do Mar e Atmosfera divulgou hoje, na sua página oficial , um relatório relativo ao episódio de frio persistente.

Segundo a informação avançada, verificou-se “desde o dia 24 dezembro, de forma consistente, uma situação de frio generalizado com valores da temperatura máxima e mínima do ar inferiores ao valor da normal climatológica 1971-2000. Nas últimas três semanas apenas no dia 28 de dezembro, o valor médio da temperatura mínima foi próximo do normal.”

Segundo o IPMA “o dia 9 de janeiro 2021 foi o dia mais frio neste período, com 2.98°C de média da temperatura média do ar, sendo que os valores da temperatura máxima do ar, nas estações de Guarda, Aldeia do Souto, Lousã e Portel foram os mais baixos registados nos últimos 20 anos. De referir ainda que nos dias 5, 6 e 8, os valores médios de temperatura média do ar foram inferiores a 4°C. No dia 11 foi registado o 4º valor mais baixo da média da temperatura mínima do ar do território.”

Os valores da temperatura máxima do ar, nas estações de Guarda, Aldeia do Souto, Lousã e Portel foram os mais baixos registados nos últimos 20 anos;

O Instituto Português do Mar e Atmosfera acrescenta ainda que “o dia 12 no qual se verificou, em cerca de 75 % do território continental, valores de temperatura mínima inferiores 0°C; neste dia os valores da temperatura mínima do ar variaram entre -8.2°C em Miranda do Douro e 4.3°C em Cabo Raso e Olhão enquanto que no dia 13 em Lisboa G.C. e Faro foi registado o menor valor de temperatura mínima do período, 0.9°C e 0.6°C, respetivamente (em Lisboa igualou o valor do dia 12); neste dia Guarda registou o maior valor de temperatura mínima no período, 2.0°C.”

Embora se tenha registado a ocorrência da onda de frio relativamente localizada, avança o IPMA, “o carácter prolongado deste episódio (cerca de 3 semanas), a persistência de vários dias consecutivos com temperaturas negativas (>10 dias consecutivos em 1/3 das estações), em particular no interior, e a abrangência territorial constituem aspetos importantes nos previsíveis impactos que terá tido na população.”