09 Dez. 2022
Augusta Serrano
Ecos da Planura
09:00-11:00

Médicos e ministro da saúde chegaram a entendimento

Reportagens Escrito por  14 Jul. 2012

Durante dois dias os médicos fizeram a maior greve desde há 26 anos em defesa do sistema nacional de saúde.

A greve fez-se sentir de forma acentuada nos hospitais e centros de saúde do país, com serviços públicos de saúde a funcionar como se fosse fim de semana ou feriado.

No Alentejo a adesão superou as espetativas dos sindicatos. No distrito de Évora a adesão registada ficou entre 99% e 100%, em Portalegre perto dos 100% e no distrito de Beja 95% de adesão à greve, como nos refere Pilar Vicente da Federação Nacional dos Médicos.

{saudioplayer}http://www.radiocampanario.com/sons/Pilar%20Vicente.MP3{/saudioplayer}

A greve dos médicos teve repercussões positivas.

Disposto a negociar, Paulo Macedo solicitou uma reunião.

Da reunião entre médicos e o ministro da saúde, que durou 3 horas, saiu fumo branco, tendo havido entendimento.

Paulo Macedo assumiu que vai primeiro abrir concurso para contratar médicos para as vagas que existirem, e só os lugares que não forem preenchidos serão depois para médicos contratados à hora.

O ministro comprometeu-se ainda a renegociar uma nova tabela salarial, em que os médicos vão poder ganhar mais mas também terão que trabalhar mais horas.

Por parte dos sindicatos, o sinal é de optimismo, aguardando o cumprimento do acordo.

O Sindicato Independente dos Médicos (SIM) e a Federação Nacional dos Médicos (FNAM) voltam ao Ministério da Saúde já nos dias 20 e 30 deste mês.

Recorde-se que este acordo surgiu depois da greve de dois dias (11 e 12 de julho) dos médicos.

Últimas notícias

Histórico de Notícias

« Dezembro 2022 »
Seg Ter Qua Qui Sex Sab Dom
      1 2 3 4
5 6 7 8 9 10 11
12 13 14 15 16 17 18
19 20 21 22 23 24 25
26 27 28 29 30 31